Mostra itinerante encerrará seu ciclo na Unicamp no dia 7 de agosto

A exposição sobre o centenário da Greve Geral, “100 anos depois a luta continua! Nenhum direito a menos”, caminha para os últimos dias em cartaz na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em seguida, dia 9 de agosto, a mostra, respeitando seu caráter itinerário, seguirá para o campus de Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

 

Para o secretário nacional de Cultura da CUT, José Celestino Lourenço, o Tino, há relação entre o longínquo 1917 e 2017. “No atual cenário, no qual a classe trabalhadora sofre os mais duros ataques relacionados aos direitos trabalhistas e previdenciários, a exposição sobre o centenário da greve geral é importante porque explicita , sobretudo para as novas gerações, muitos elementos que permitem identificarmos pontos de convergências entre as lutas de 100 anos atrás e as que estamos travando contra o governo golpista.”

 

O lançamento da exposição na Unifesp, no campus de Humanas, será precedido do debate “A importância da Greve geral de 1917 e as contrarreformas do Governo Temer”.

 

Após a Unifesp, será a vez do Congresso Extraordinário e Exclusivo da CUT receber a Mostra, entre os dias 28 e 31 de agosto. Em 1 de setembro, a exposição será fixada no salão da sede nacional da CUT, também na capital paulista.

 

Objetivo deste itinerário é levar o debate sobre os direitos trabalhistas para um público mais amplo que o abrangido pelo movimento sindical, em particular para os jovens estudantes e trabalhadores(as) que serão os mais atingidos pelas contrarreformas do governo ilegítimo.

 

Se sua entidade tiver interesse em organizar uma amostra desta exposição para trabalhadores e trabalhadoras da sua base sindical ou da sua comunidade, favor entrar em contato com a Secretaria Nacional de Cultura da CUT. Pois, o projeto prevê que ela circule até Julho de 2018 quando fechar-se-á o ciclo deste centenário.